DIA 114 > 03.05.2012 > THE WOLFMAN (2010)

Por Raphaela Ximenes

Já estava com saudade de filmes de terror, por isso decidi comentar sobre THE WOLFMAN, uma belíssima refilmagem do clássico de 1941. Dirigido por Joe Johnston, o mesmo responsável por “Capitão América: O Primeiro Vingador”, o filme vai além de um simples filme de lobisomem, discutindo a relação entre pai e filho e o sofrimento do personagem principal em como lidar com sua maldição

Em THE WOLFMAN, Benício Del Toro é Lawrence, que foi enviado para os EUA ainda pequeno. Com o desaparecimento de seu irmão, Lawrence retorna à Inglaterra, onde é atacado por um lobisomem, despertando uma maldição há muitos anos adomercida. 

DIA 114 > 03.05.2012 > THE WOLFMAN (2010)

DIA 113 > 02.05.2012 > THE RUNNING MAN (1987)

DIA 113 > 02.05.2012 > THE RUNNING MAN (1987)

Por Raphaela Ximenes

Quando soube sobre o filme The Hunger Games achei o argumento bem parecido com o de THE RUNNING MAN. Mas acabei vendo o novo sucesso adolescente no cinema e esqueci um pouco sobre o filme do Schwarzenegger. Só que nesse fim de semana, de molho em casa, acabei revendo THE RUNNING MAN na televisão e percebi que tem muita coisa em comum sim, mas de uma forma positiva. 

Acho que é impossível para as pessoas da minha geração, que cresceram cercadas por referências e na época em que a cultura pop estourou, não serem influenciadas por esse mundo. Por isso vejo The Hunger Games como uma homenagem de Suzanne Collins ao mestre Stephen King, responsável pelo conto que inspirou o filme.

Mas, gostaria de deixar bem claro que a única semelhança entre os dois filmes é o fato de pessoas, no futuro, serem escolhidas para lutarem em uma “arena” por suas sobrevivências, dentro de um sistema de governo totalitário. 

Em THE RUNNING MAN, Arnold Schwarzenegger é um policial, Ben Richards,  que não concorda com a maneira como as coisas funcionam em seu mundo e acaba sendo incriminado injustamente por um crime que não cometeu. O ano é 2019 e os EUA está sob um governo totalitário, que aboliu as prisões e os prisioneiros participam de programas de televisão onde devem lutar por suas sobrevivências. Ben acaba no programa The Running Man, um dos de maior audiência, onde é solto em uma arena, sem nenhuma arma, e deve lutar contra mercenários invencíveis e armados. 

O que mais chama atenção no filme é o fato de ainda ser tão atual, a crítica social sobre o que vem acontecendo com o mundo, parece, infelizmente, mais parecida com o mundo que vivemos. Ao mesmo tempo é divertido notar a tecnologia usada no filme, como a do futuro, além da estética exagerada dos anos 80.

Por fim, THE RUNNING MAN é um filme que vale a pena ser redescoberto, como eu o fiz, inclusive para lembrar da época quando o Schwarzenegger era divertido. Para quem nunca viu, corre agora pra locadora! 

DIA 112 > 01.05.2012 > HORRIBLE BOSSES (2011)

Por Raphaela Ximenes

No Dia do Trabalho nada melhor do que falar de um filme sobre trabalho. Por isso a escolha de hoje é HORRIBLE BOSSES, dirigido por Seth Gordon e que já vale ser visto apenas por contar com Jennifer Aniston como a dentista sem noção, chefe de Charlie Day (a melhor coisa do filme), Collin Farrell como o chefe idiota e asqueroso de Jason Sudeikis e Kevin Spacey sendo Kevin Spacey, como patrão de Jason Bateman. 

Um dia após o trabalho, os três se reúnem para um happy hour e reclamar de seus chefes, que tornam suas vidas bem difíceis e decidem contratar um assassino profissional (Jamie Foxx), para matar todos os 3 horrorosos chefes. O mais divertido é saber se eles terão coragem de ir até o fim.

Nem precisa avisar que essa é uma comédia de humor negro, com fortes doses de piadas grossas, mas perfeitas para aqueles que querem relaxar, não pensar em nada, principalmente no trabalho, e aproveitar um divertido filme com um ótimo elenco.

A crítica ficou bem dividida em relação a esse filme, por um lado por causa do brilhante elenco, por outro por causa das piadas, que não agradaram muito. Como eu acredito que a melhor maneira de saber quem tem razão é assistindo ao filme, recomendo fortemente a quem também queira descobrir, ver HORRIBLE BOSSES e se divertir. 

DIA 112 > 01.05.2012 > HORRIBLE BOSSES (2011)

PROBLEMAS TÉCNICOS

Por Raphaela Ximenes

Depois de 3 dias com uma crise de sinusite que me impossibilitou olhar pro computador, finalmente estou de volta e com força total ao tumblr.

Fiquei alguns dias sem postar filmes, o que não era minha intenção de forma alguma quando comecei o projeto. Infelizmente nem sempre o que queremos e programamos é o que acontece, mas estou firme e forte de volta.

Então, voltamos a programação normal, com o filme 112 vindo aí.

DIA 111> 27.04.2012 > THE AVENGERS (2012)

DIA 111> 27.04.2012 > THE AVENGERS (2012)

Por Raphaela Ximenes

Claro que o filme do dia seria o mais comentado e esperado até agora, que finalmente estreou hoje nos cinemas, THE AVENGERS.

Desde semana passada textos sobre o filme e informações, estão pipocando na internet e para não ficar de fora publiquei minha crítica ao filme no site Almanaque Virtual. Como ali deixei todas as minhas impressões sobre o filme, sem sobrar muito para mais alguma discussão, decidi, então, copiar aqui no 366 FILMES, o texto do Almanaque na íntegra.

Espero que não se incomodem com o tamanho do texto, que é equivalente a minha empolgação em relação ao filme. Leiam e corram para o cinema:

É difícil saber por onde começar a falar sobre um dos filmes mais esperados do ano, principalmente quando se percebe que este talvez seja o melhor filme de super-heróis produzido nos últimos 10 anos. O ideal poderia ser começar falando sobre seu diretor, Joss Whedon, o mesmo que pegou um filme sem graça sobre uma caçadora de vampiros, (“Buffy, a Caça-Vampiros”, de 1992) e transformou em uma das séries mais cultuadas dos anos 90. O mesmo aconteceu com “Firefly”, uma série de ficção científica de vida curta, mas com muitos fãs até hoje.  Ambas criadas e executadas por Whedon, que também assina o excelente roteiro de THE AVENGERS.

O cuidado e preocupação em transmitir para as telas um filme que encante os antigos fãs de THE AVENGERS, assim como aqueles que nunca ouviram falar do famoso grupo de super-heróis, é muito claro em cada detalhe e cena da produção. Desde diálogos já clássicos, passando por efeitos de fazer o espectador não acreditar no que vê, chegando ao respeito profundo aos heróis e suas características, Whedon deixa claro que também cresceu lendo os quadrinhos, vendo desenhos, além de todo seu conhecimento de cultura pop, que apenas enriquece o filme, proporcionando momentos hilários ao mesmo tempo que inesquecíveis.

Sua responsabilidade aqui era enorme, porque coube a ele unir quatro filmes, de diretores com estilos completamente diferentes, sobre quatro personagens emblemáticos, Homem de Ferro, Hulk, Thor e Capitão América. Além de incorporar dois personagens tão importantes, mas que não contavam com filmes prévios, a Viúva Negra e o Gavião Arqueiro. O resultado poderia ser catastrófico, o risco era enorme, mas o diretor conseguiu realizar algo além do esperado. Para tal resultado, Whedon montou seu filme como uma peça teatral. Primeiro ato, apresentação mais uma vez dos personagens, heróis e vilão. Segundo ato, o início da guerra e a apresentação da S.H.I.E.L.D.. Terceiro e último ato, a guerra pela salvação da Terra. Na verdade, o esquema básico de um filme do gênero, mas orquestrado de forma tão genial, com ótimas surpresas, assim como momentos muito esperados por aqueles que ansiavam pelo filme. Impressiona como Whedon conseguiu incorporar ao seu filme dramas e elementos dos filmes anteriores, sem perder o fio da meada e transformando tudo em uma obra única e completamente nova. Os personagens interagem com perfeição entre si, mantendo suas características e mostrando novas faces, agora que já estão mais a vontade com suas identidades. Cada um brilha em seu momento do filme, sem que fique a impressão que THE AVENGERS na verdade é o filme sobre tal herói.

 

Claro que a escolha do elenco conta muitos pontos positivos também, começando por Robert Downey Jr. com seu sarcástico e charmoso Tony Stark, um playboy multi-milionário, dono das Indústrias Stark, que trabalha com tecnologia de ponta. Stark é o Homem de Ferro, quando veste sua armadura. Um homem “comum” que tem como super-poderes sua inteligência. Stark é o ponto nervoso dos Vingadores, não controla o que diz, implica com os outros, mas ao mesmo tempo procura ser o ponto central, cuidando para que tudo funcione. Chris Evans é o ex-soldado da Segunda Guerra Mundial, Steve Rogers, que acabou conhecido como Capitão América, após ser submetido a uma experiência onde ganhou uma força descomunal. Capitão América é considerado o “primeiro vingador”, porque foi descoberto no gelo em nosso tempo, após mais de 60 anos. Capitão América é antítese do Homem de Ferro, ainda preso a seus valores, Steve precisa se readaptar a um novo mundo, com valores completamente diferentes, além de muito mais avançado tecnologicamente. Scarlett Johansson, como Natasha Romanoff ou a Viúva Negra, uma ex-espiã russa, que conta com sua habilidade para fazer parte do grupo. Natasha é apresentada de uma forma diferente em THE AVENGERS, já que seu personagem é coadjuvante em “O Homem de Ferro 2”, de 2010. Um pouco de seu passado é revelado, onde também é descoberto sua cumplicidade e amizade com Clint Barton, interpretado por Jeremy Renner. O Gavião Arqueiro, também é conhecido por sua aparição em “Thor” de 2011. Natasha e Barton contam com suas habilidades humanas para defender a Terra e merecer um posto como vingadores. Chris Hemsworth é Thor, o deus nórdico do Trovão, que se afeiçoa a Terra, após ser banido de seu planeta, Asgaard, por seu pai Odin. Ponto chave para a trama de THE AVENGERS, Thor é irmão de Loki, interpretado por Tom Hiddleston, vilão da trama. Mas, talvez o herói mais temido de todos os vingadores seja o Hulk, uma fera verde, sem controle e enorme poder de destruição. O Hulk é o alter-ego do Doutor Bruce Banner, no filme interpretado por Mark Ruffalo, após a recusa de Edward Norton a continuar com o personagem. Banner é um homem que tenta manter o controle durante o tempo todo, mais fechado que os outros, torna-se o favorito de Stark para suas brincadeiras.

Por trás dos Vingadores existe a S.H.I.E.L.D., uma organização secreta do governo, que procura meios não hortodoxos para preservar a segurança dos EUA e da Terra. Comandada por Nick Fury (Samuel L. Jackson), também conta com a agente Maria Hill (Cobie Smulders de “How I met Your Mother”) e o agente Phil Coulson (Clark Gregg).

Toda a trama do filme acontece quando Fury protegia o Cubo Cósmico, que acaba sendo roubado por Loki. Para escapar, o vilão consegue fazer com que Barton e o Doutor Erik Selvig (Stellan Skasgard) fiquem do seu lado e o ajudem a roubar o poderoso cubo.  Temendo pelo o que Loki pode fazer ao planeta com tal artefato em suas mãos, Fury reúne Stark, Rogers, Romanoff e Banner, para tentar impedir Loki. Homem de Ferro e Capitão América conseguem capturar Loki na Alemanha, e quando voltam para o Quartel General da S.H.I.E.L.D., são interceptados por Thor, que quer entender o papel de seu irmão em toda essa confusão. Uma vez preso, Loki consegue que seu exército o liberte para dar continuidade ao seu plano de governar a Terra. Após perceberem que apenas unindo-se seriam capaz de deter Loki, os seis heróis aceitam tornarem-se Os Vingadores e protegerem a Terra.

Com foco na parte humana de cada um dos heróis, muito mais do que em seus super-poderes, THE AVENGERS consegue atingir seu público ao transparecer que qualquer um daqueles heróis poderiam viver em nosso mundo. Whedon não teme em ser o maior fã de seu filme, transmite isso sem pudor, transformando seu THE AVENGERS no melhor presente que os fãs dos quadrinhos poderiam receber. Desde o logo da MARVEL, no início do filme, até a úlitma cena, logo após a primeira rodada de créditos finais, fica muito claro que o intuito do diretor era o de arrebatar o público. Se durante todo o filme quase não é possível respirar, com certeza a cena final, depois dos créditos é o último suspiro necessário, para que se entenda que, o que acabou de acontecer foram anos e anos de tentativa e erro, culminando em uma obra que nasceu clássica em seu gênero e assim o será por muitos anos.


Texto publicado originalmente no dia 20.04.2012 no site Almanaque Virtual